6 de jul de 2012

EFEITO IBGE: MAIS DE 56 MIL VEREADORES SERÃO ELEITOS EM 2012.

As câmaras municipais brasileiras irão contar com mais 5.070 vereadores a partir de 2013. Eles se somarão aos atuais 51.748 existentes, totalizando 56.818 vereadores em todo o país, após resultados da pesquisa do IBGE.

O aumento de cadeiras nos legislativos locais é amparado na mudança do total da população registrado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, na estimativa publicada em 31 de agosto de 2011.

As novas vagas foram criada com base na Emenda Constitucional 58 que permite a criação ou redução do número de cadeiras nas câmaras, através de mudanças na Lei Orgânica Municipal – LOM.

Os números faze parte da pesquisa divulgada pela Confederação Nacional de Municípios – CNM, que consultou os Municípios de todo o Brasil.

De acordo com o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, a criação de cinco mil vagas de vereadores deverá aumentar o custo das Casas Legislativas, mas não se sabe ainda o impacto financeiro.

Fonte: Patu em Foco/Ascom/Portal Paulista Online

MAIS BENEFICIOS PARA UMARIZAL NA ADMINISTRAÇÃO DO PREFEITO ROGERIO FONSECA

Emenda da deputada Fátima Bezerra atendeu Umarizal e outros 58 municípios do Rio Grande do Norte com transporte escolar, mobiliário e equipamentos para escolas públicas.

A deputada Fátima Bezerra agradeceu ontem (5) ao Ministro da Educação, Aloísio Mercadante, o empenho da emenda ao OGU que garantiu a aquisição de 156 ônibus escolares, além de equipamentos como condicionadores de ar, ventiladores, mobiliários para salas de aula, projetores, entre outros, atendendo um total de 59 municípios.

Para Fátima, a meta é a melhoria na qualidade da educação pública: “aquisição de equipamentos como ônibus, condicionadores de ar e ventiladores para as salas de aula, trarão mais conforto e dignidade aos alunos e professores e contribuirá para melhoria da qualidade da educação”.

A deputada faz questão de ressaltar que os quantitativos foram definidos pelos próprios municípios quando apresentaram suas demandas no Plano de Ação Articulada – PAR, para 2012, e que atendeu a todos independentemente da filiação partidária do gestor do momento. O total destinado para o RN foi de 37 milhões, sendo 22 da emenda e 15 de recursos do próprio do Ministério.

No transporte escolar, os empenhos atenderam os seguintes quantitativos por município:
- Ceará-Mirim, 11 ônibus;

- Areia Branca, Currais Novos, Monte Alegre, Nova Cruz e Santo Antonio, 06 ônibus;
- Campo Grande, Ipanguacu, São Tomé, Senador Elói de Souza e Upanema, 05 ônibus;
- Santana do Matos, 04 ônibus;

- Caraúbas, Lagoa Nova, Maxaranguape, Parelhas, São Miguel, São Paulo do Potengi e Serrinha, 03 ônibus;

- Bento Fernandes, Bom Jesus, Carnaubais, Coronel João Pessoa, Doutor Severiano, Encanto, Florânia, Gov. Dix-Sept Rosado, Itajá, Janduis, Jardim do Seridó, Jucurutu, Lagoa de Pedras, Luis Gomes, Martins, Messias Targino, Patu, Porta Alegre, Porto do Mangue, Riacho de Santana, Rodolfo Fernandes, São Rafael, Serra do Mel, Tiba do Sul, Umarizal, Várzea e Venha-Ver, 02 ônibus;

- Barcelona, Bodó, Caicó, Cerro Corá, Equador, Frutuoso Gomes, Parazinho, Riachuelo, Santa Maria, Santana do Seridó, São Vicente, com 01 ônibus.

Veja como deve ser disputa eleitoral no Estado



Veja como deve ser o cenário da disputa eleitoral nas principais cidades do Rio Grande do Norte:

UMARIZAL:

MANO (DEM) E MARCOS VEREADOR (PSD) COM O APOIO DO PC DO B , PT , E PSB

ELIJANE PAIVA (PR) E DR.GUARAÇI (PMDB) COM O APOIO DO PSDB , PDT E PPS

ASSU
George Soares (PR) e Danúbio Medeiros (PTB), apoiados por PR
Ivan Júnior (PP) e Eurimar Nóbrega (PMDB), apoiados por PSD e DEM

CANGUARETAMA
Wellinson Ribeiro (PR) e ex-vereador Antônio Florêncio (PR), apoiados por PTB, PMDB, PSB, PDT, PSDB
Jurandir Marinho (PSD) e Fátima Moreira (PSD), apoiados por PPS, PP e PSL

MOSSORÓ
Larissa Rosado (PSB) e Josivan Barbosa (PT), apoiados por PDT, PTdoB, PPS, PTC, PHS, PP, PRB, PTB, PSD, PCdoB, PR e PPL
Cláudia Regina (DEM) e Wellington Filho (PMDB), apoiados por PSDB + PR + PMN

MACAIBA
Fernando Cunha (PMN) e Olímpio Maciel (PTB) apoiados por DEM
Marília Dias (PMDB) e Emídio Júnior (PMDB)

PARNAMIRIM
Maurício Marques (PDT) e Lucinha Thiago (PSD) apoiados por PT, PMDB
Gilson Moura (PV) e Epifânio Bezerra (PR) apoiados por DEM

CEARÁ-MIRIM
Antônio Peixoto (PR) e José Praxedes (DEM) apoiados por PCdoB e PTdoB e outros seis partidos
Edinólia Melo (PMDB) e Élcio (PSC)
Júlio César (PSD) e Antônio Ivo (PDT)
Marcílio Dantas (PP) e Diassis da Caixa (PTC)
Dedé Luz (PSL) e Kleber Fernandes (PSDC)

JOÃO CÂMARA
Ariosvaldo Vavá (DEM) e Josafá de Berré (DEM), apoiados por PTB, PPS, PP, PSL e PSB
Goretti Leite (PMN) e Leonardo (PT)

NOVA CRUZ
Cid Arruda (PSB) e Monique Peixoto (PP), apoiados por PSD, PMDB, PT, DEM, PR
Flávio Azevedo (PMDB) e Marcelo Cunha Lima (DEM)

JUCURUTU
George Queiroz (PMDB) e Paula Lopes, apoiados por PMDB, PR, DEM, PDT, PT, PSDB, PMN, PSD e PTB.
Daguia Soares (PP) e Rivaldo Lopes Galvão (PP)

CAICO
Roberto Germano (PMDB) e Oriel Segundo (PR), apoiados por PTdoB e PSDC
Hugo Marinho (PP) e Gilberto Costa (PT), apoiados por PCdoB PHS, PTN e PSC

SANTA CRUZ
Péricles Rocha (PSD) e Marcos Lima (PTB) PPS, PP, PV, PMN, PCdoB e PRB.
Dr. Petrônio (PT) e Paulo César (PTN)
Fernanda Costa (PMDB) e Joca Ferreira (PSB) PMDB, DEM, PSB, PSDB e PR.

EXTREMOZ
Klauss Rego (PR) e Padre Edilson (PR), apoiados por PV, DEM, PMN e PR
Djalma de Sales, o Macho (PSDB) e professora Nova (PSDB)

CURRAIS NOVOS
Geraldo Gomes (DEM) e Medeiros (DEM)
Zé Lins (PR) e João Gustavo (PTB), apoiados por PSB, PDT, PR, PT, PSDB, PP e o PTB



Ações na saúde foram para evitar uma intervenção federal




O deputado estadual José Dias (PMDB) afirmou que o governo do Estado anunciou as ações na área de saúde para evitar uma intervenção federal ou ainda uma decisão judicial que viesse a desmoralizar a administração pública estadual. Ele elogiou as medidas anunciadas na tarde de ontem pela governadora Rosalba Ciarlini (DEM) em entrevista à imprensa, mas mostrou-se incerto quanto ao cumprimento das metas.
“O que acontece se isso vai dar resultado ou não, é claro que não tenho bolinha de cristal, mas o problema não é o anúncio da medida, é a execução. Como a gente está vendo tantas promessas, ninguém pode confiar em promessa. Agora, se as coisas forem executadas, pode realmente alcançar algum resultado. Até porque a situação é tão grave, tão difícil, tão dramática, que tudo que for feito será uma melhora. Piorar está quase impossível, porque está tão ruim que a gente não sabe se é possível piorar”, avaliou José Dias.

Ao analisar as medidas do governo, o deputado disse ser lamentável que o governo do Estado só tenha agido através de pressão. “O movimento do governo é determinado pela pressão da sociedade, da imprensa e das entidades de classe. É o risco de uma decisão judiciária acachapante, que desmoralizaria completamente o governo. Então, é por conta disso que o governo está agindo, não é por outra razão”, afirmou.

José Dias enfatiza, porém, que, se forem implantadas, as ações tendem a ter um resultado. “O problema é que o governo tinha condições de fazer desde o começo e não fez. Será que com o ferrão vai fazer?”, indagou.

Sobre a justificativa governamental de que somente agora o governo conseguiu equilibrar as finanças, o deputado discorda inteiramente. “Essa alegação não prevalece, a história não demonstra isso. Os fatos são diferentes. Claro que o governo vem sempre aumentando a arrecadação. E o mais importante é que o governo está agindo agora porque tem risco dessa decisão judiciária, de uma intervenção do governo federal no RN. Não é porque melhorou ou piorou não”, concluiu.

ATRASO
O deputado estadual Fernando Mineiro (PT) elogiou em parte as medidas do governo do Estado para o setor de saúde, como a recuperação dos hospitais e a construção de um hospital em Natal. Contudo, segundo ele, as ações precisavam ter sido tomadas há mais tempo porque, com o decreto de calamidade, o governo apenas oficializou o “caos que ele mesmo aprofundou”.

“Torço e cobro para que haja uma resposta efetiva. Porque, na verdade, o que o governo fez foi oficializar o caos que ele mesmo aprofundou. Agora o gasto. Vai destinar R$ 25 milhões para 12 hospitais, enquanto destinou R$ 16,8 para uma empresa fazer a administração de um hospital, que é o da Mulher através da Marca, em Mossoró. E espero que o estado de calamidade não seja tão somente para dispensar licitações. É preciso que as instituições acompanhem a aplicação dos recursos”, declarou o parlamentar.

Segundo Fernando Mineiro, o governo teve 18 meses para preparar ações como esta. “Eram medidas que eram para ser tomadas há muito mais tempo. O governo aprofundou o desmonte da gestão, deixou chegar nesse nível. Espero que essas medidas tenham impacto”, disse.

VALORES
Mineiro registrou que, dos R$ 32 milhões destinados pelo governo para as ações, R$ 14 milhões serão repasses do governo federal. “Até hoje o governo teve excesso de arrecadação de R$ 242 milhões de reais. Ou seja, a arrecadação é muito acima. E esses R$ 242 milhões não tem destinação orçamentária, então poderia aplicar onde bem desejasse. Desses R$ 242 milhões, porém, o governo destinou apenas R$ 7 milhões para a saúde”, ressaltou.

Ainda segundo Mineiro, trata-se de “um conjunto de medidas necessárias, mas acho que os recursos são poucos”. Ele concluiu afirmando que a sociedade deve acompanhar a implantação das medidas anunciadas, principalmente porque, com o decreto de calamidade, será dispensado o processo licitatório. “Vamos fiscalizar esses processos”, finalizou.


fonte: tulio lemos