19 de abr de 2013

19 de Abril / Dia de Santo Expedito

19 de Abril

Origem histórica

Mártir de Metilene, é pouco conhecido dos historiadores, mas sua existência é certa.
Santo Expedito, segundo a tradição, era armênio, não se conhecendo o lugar de seu nascimento, mas parece provável que seja Metilene, localidade onde sofreu seu martírio.
A Armênia é uma região da Ásia Ocidental, situada ao Sul do Cálcaso, entre o Mar Negro e o Mar Cáspio, nas margens dos Rios Tigre e Eufrates.
Essa região foi sempre considerada uma terra de predileção. Aliás, pelo testemunho da Sagrada Escritura, foi sobre as montanhas armênias do Ararat que a Arca de Noé pousou quando as águas do dilúvio baixaram (Gênesis, 8.5).







A Armênia foi uma das primeiras regiões a receber a pregação dos apóstolos Judas Tadeu, Simão e Batolomeu, mas também local de inúmeras perseguições aos cristãos. Essa região foi regada com o sangue de muitos mártires, entre eles Santo Expedito.
Sua cidade natal (com toda probabilidade) não passa hoje de uma pequena localidade chamada Melatia, cidade construída no século II pelo imperador romano Trajano.
A partir de Marco Antonio, tornou-se residência da 12ª Legião, conhecida como "Fulminante", cuja missão era defender o império romano dos bárbaros asiáticos. Hoje Metilene é uma cidade mística e simples, onde sua população vive em calma, longe das agitações políticas.
Além de Santo Expedito, que foi levado à morte a 19 de Abril de 303, sob o poder de Deocleciano, lá veneram-se outros Santos mártires, entre eles: São Polieucto, outro oficial do exército romano que foi martirizado no século III.
Deocleciano subiu ao trono de Roma em 284. Por seu ambiente e por seu caráter, parecia oferecer aos cristãos garantias de benevolência, pois havia em seu palácio a liberdade de religião, sendo, inclusive, sua esposa Prisca e sua filha Valéria, cristãs, ou ao menos, catecumenas.
Sob influências de Galero, seu genro, pagão convicto, determinou a perseguição dos cristãos, ordenando a destruição de igrejas e livros sagrados, a cessação das assembléias cristãs e a abjuração de todos os cristãos. Galero, sempre incitado por sua mãe, também pagã, queria abolir para sempre o Cristianismo e através de insinuações maldosas e hábeis calúnias, fez crer a Deocleciano, que o cristianismo conspirava de várias formas contra a augusta pessoa do imperador.
Deocleciano, então, empreendeu a exterminação sistemática dos cristãos, envolvendo, inclusive, os membros de sua própria família e os servidores de seu palácio. Foi uma hecatombe sangrenta: oficiais, magistrados, o bispo da Nicomédia (Antino), padres, diáconos, simples fiéis foram assassinados ou afogados em massa.
Somente em 324, com a retomada da autoridade do imperador cristão Constantino, foi que tiveram fim as terríveis perseguições que durante três séculos tinham ensanguentado a Igreja.

O Guerreiro







Voltando à história de Santo Expedito, a tradição refere-se que ele era chefe da 12ª Legião Romana, cognominada "Fulminante", estabelecida em Metilene, sede de uma das províncias romanas da Armênia. "Fulminante" lhe havia sido dado em memória de uma façanha que se tornou célebre.
Durante uma campanha da Germânia, na região dos Quades, no nordeste da Hungria atual, o imperador Marco Aurélio foi cercado pelos bárbaros, ficando sem água e provimentos. Marco Aurélio orou como lhe ensinava sua filosofia e fez com que fossem feitos encantamentos pelos mágicos, companheiros indispensáveis, à época, dos exércitos.
A 12ª Legião, recrutada no Distrito de Metilene, na Capadócia, formada em grande parte por soldados cristãos, reuniram seus soldados fora do campo, onde ajoelharam-se e oraram ao verdadeiro Deus
Esses milhares de homens em oraçào e com os braços abertos formaram um espetáculo tão estranho que os inimigos pararam surpresos. Uma chuva abundante se pôs a cair, foi quando os soldados romanos saciaram sua sede e fizeram o inimigo recuar. Depois, caíram raios e granizos sob os bárbaros, com tal violência, que os mesmos debandaram em pânico.
Como se vê, Santo Expedito estava à testa de uma das mais gloriosas legiões, composta, em grande parte, por soldados cristãos.

O Soldado Cristão

Mas a história que documenta as façanhas desta legião, infelizmente, é bastante sóbria em detalhes da vida de seus chefes. Ela nada nos diz sobre Santo Expedito.
Podemos supor que ele distinguiu seu comando pelas virtudes de cristão e de chefe ligados à sua religião, à seu dever, à ordem e à disciplina, dando, em todas as circunstâncias, o exemplo das mais belas virtudes.
O ardor bastante conhecido do generoso soldado Expedito e sua situação de chefe de legião, chamou a atenção de Deocleciano, quando as perseguições começaram em Metilene. Entre muitos que já haviam pago com a vida estavam: Maurício, outro chefe de legião, Marcelo, centurião romano e Sebastião, tribuno da guarda pretoriana, hoje conhecido como São Sebastião. Sendo assim, Expedito e seus companheiros de armas, cheios de admiração pelo capitão Sebastião, deveriam ter prometido imitar sua conduta, devendo crer, inclusive, que teriam que sofrer a mesma sorte, quando das perseguições cristãs, enfrentando a morte a ter que renunciar sua fé.

Martírio e morte

 

Nada se sabe sobre as circunstâncias que acompanharam os últimos instantes de Santo Expedito.
Podemos supor que ele também foi sacrificado por recursos do império. Sabe-se que era concedido ao cidadão romano o privilégio de somente perecer pela espada. São Paulo, por ser cidadão romano, foi beneficiado por essa lei e teve a cabeça cortada, já São Pedro, que era judeu, foi crucificado. Quando se tratava de um soldado do exército romano, antes da decapitação, ele deveria sofrer o suplício da flagelação.
Assim também ocorreu com Santo Expedito, depois de ser flagelado até derramar sangue, teve a cabeça decepada. Era o dia 13, das calendas de Maio, isto é, 19 de Abril de 303. Assim afirmam os martinólogos da época.
Outros cristãos pereceram com ele do mesmo modo, supondo-se serem seus companheiros de armas. São os mártires: Hermógenes, Caio, Aristônio, Rufo e Gálatas.
Nada mais podemos adiantar sobre o martírio de Santo Expedito, pois a história silencia a esse respeito.
Pouco importa. A única conclusão é que Santo Expedito, chefe da 12ª Legião, era seguramente uma alma de fé muito grande, pois preferiu perder sua situação e até sua vida a renunciar à sua religião.
Não se sabe o que foi feito do corpo do heróico mártir. Piedosas mãos devem tê-lo sepultado em local hoje desconhecido.
Sua lembrança, ao contrário, ficou guardada na memória dos cristãos e os primeiros escritores eclesiásticos puderam escrever seu nome entre os que tinham derramado seu sangue pela fé.

O culto a Santo Expedito e seus símbolos

 

 

Seu culto se estabeleceu em sua pátria, transpondo o Oriente e passou para a Alemanha meridional. De lá se espalhou pela Itália, sobretudo na Sicília, na Espanha e difundiu-se pela França e Bélgica.
Em várias igrejas do mundo apresentam-se estátuas representando Santo Expedito, com traje legionário, vestindo uma túnica curta e um manto jogado militarmente atrás das espáduas, tendo postura marcial. Em uma mão segura uma palma e na outra uma cruz.
Sua atitude é de um homem pronto para a ação. É nesta postura, cheia de entusiasmo e generosidade, que os fiéis viram o defensor e patrono das "Causas Urgentes".
A piedade popular, sempre confiante, tem dessas invenções, que não se podem censurar. Dentre as porções de insígnias simbólicas que a Idade Média adotou à estátua, o Santo, ainda hoje, calca com seu pé um corvo que se consome a lançar seu grito habitual: "Crás" (palavra latina que siginifica "Amanhã"). Mas "Crás" denota a dilatação, o deixar para o dia seguinte ou mais tarde, tudo o que se deve cumprir imediatamente.
Assim, Santo Expedito, esmagando a ave fatalmente, lhe responde com a cruz que segura na mão direita e que leva uma única palavra: "Hodie!" (que significa: "Hoje"), exprimindo, assim, sua vontade de lançar fora qualquer retardamento ou hesitação no cumprimento da tentação, que como sugere, adiar para o dia seguinte.
A piedade popular vê neste símbolo, a prontidão com que Santo Expedito quer acolher as preces dos fiéis que recorrem a sua intercessão, daí ser título de patrono das "Causas Urgentes".

O nome de Santo Expedito

 

 

Todos os historiadores estão de acordo na fixação da época e local em que Santo Expedito morreu pela fé. Mas tal não acontece quando se trata de seu nome e da significação que convém dar-lhe.
Aliás pode-se indagar se trata-se de um nome propriamente dito ou de um apelido ligado, seja à sua pessoa, ou mesmo a toda a legião de que era o chefe.
As opiniões diferem. Primeiramente é conveniente ressaltar que havia no exército romano duas espécies de soldados: o "expeditus" e o "impeditus".
O "expeditus" era assim chamado porque tinha um armamento leve e desembaraçado de toda a carga de que era encarregado o "impeditus". Toda uma parte da milícia (os "expediti"), levemente equipada, podia à primeira ordem, entregar-se à defesa do território.
Os "expediti" formavam, assim, um corpo inteiro ao qual teria pertencido Santo expedito. Uma pura coincidência teria favorecido o relacionamento do nome do Santo com o das tropas que ele comandava. Neste caso, "Expeditus" ter-se-ia em seguida tornado um nome próprio. É uma primeira interpretação.
Mas a opinião mais difundida e que repousa sobre outros casos semelhantes, freqüentes em todas as regiões e em todas as línguas, acha que "Expedito" ter-se-ia tornado o nome do Santo, porque lhe teria sido dado como apelido exprimindo perfeitamente o traço dominante de seu caráter: a presteza e a prontidão com que agia e se portava então no cumprimento de seu dever de estado e, também, na defesa da religião que professava. Era assim que os romanos davam freqüentemente a certas pessoas um apelido, que designava quer um traço de seus caráter ("Felix": Feliz; "Constans": Constante), quer o lugar que ocupavam entre os filhos de uma mesma família ("Primus": Primeiro; "Sextus": Sexto; "Octavus": Oitavo); até a cor de seus cabelos ("Rufus": Ruivo; "Niger": Negro) etc. Este apelido acabava por designá-los nominalmente, do mesmo modo que em português temos sobrenomes como: Russo, Negro, Branco, Castanho, Grande, Pequeno e até Raposo, Coelho, Leitão, etc.)
Este nome, qualquer que seja a origem de sua significação, é suficiente para fazer reconhecê-lo. O nome condiz, em todo o caso, com a generosidade e com o ardor de seu caráter, que fizeram dele um mártir.
Seguramente Santo Expedito é um Santo que podemos invocar com toda confiança nos "casos urgentes", sendo numerosas as graças obtidas por intercessão nessas circunstâncias.
Mas não devemos esquecer que o melhor culto que podemos tributar-lhe não é somente invocá-lo nos "casos urgentes", e sim imitá-lo na prática generosa da virtude e do cumprimento fiel de todas os deveres do nosso estado.
Fonte: www.angelfire.com

Associação Seridoense de Criadores cobra da CONAB Portal da Transparência na comercialização do milho

O presidente da Associação Seridoense de Criadores, Nivaldo Brum Saldanha Vilar enviou oficio ao superintendente Estadual da CONAB, João Maria Lúcio solicitando a criação de um portal eletrônico da transparência, que seria criado a cargo da própria CONAB, onde sejam disponibilizadas várias informações referentes a venda do milho. Nivaldo defende que no portal sejam oferecidas as pessoas informações como procedimentos licitatórios, valores contratados, datas e quantidades das compras, datas das entregas dos produtos em cada armazém da empresa, datas de distribuição e comercialização, preços oferecidos, relação dos usuários cadastrados e seus limites de compras, bem como a efetividade de tais compras por eles mensalmente realizadas.
No mesmo ofício, Nivaldo Brum sugere que através do portal o agricultor tenha condições de retirar o boleto bancário para fins de pagamento, agendado prévio da retirada do milho comprado, evitando as filas tradicionais nos escritórios regionais do Órgão. “Qualquer criador ou agricultor tem um filho, um sobrinho dispõe de um acesso a um computador com internet. Na comodidade de sua casa, ou de qualquer outro local ele vai lá, retira o boleto para pagar no banco e vai na Conab apenas retirar o milho”, defendeu Nivaldo.

fonte: marcos dantas

PREFEITO DE UMARIZAL MANO ONOFRE EXPLICA O MOTIVO DAS DEMISSÕES MAS NÃO CONVENCE



O  prefeito de Umarizal Mano Onofre até que tentou justificar as demissões em massa que a prefeitura de nossa cidade está realizando durante toda essa semana, até que da pra se conscientizar sobre o parecer do ministério publico, mas está acontecendo tanta coisa errada que ninguém sabe, por que se pra exonerar os funcionários em situações irregulares por que não demite todos.





Por que o povo não é besta não, todos estão vendo que só está saindo quem o prefeito que, existe tantas outras pessoas que já deviam está fora do quadro de funcionários  mas que continuam trabalhando normalmente.

Varias pessoas procuram o blog para dizer que estão profundamente decepcionados com o atual prefeito, pessoas essas que apostaram tudo em mano, casas, carros, motos, dinheiro, terrenos e vários outras coisas, pessoas essas que corriam com suas motos e carros nas carreatas do atual prefeito, essas estão indignadas muitas delas já tinham contraído dividas confiando nesse salario e agora como vão fazer para pagar????? Isso que o prefeito fez é uma tremenda covardia com as pessoas que lhe colocaram no poder.

Mas como diz o velho ditado os dias passam e o povo como é besta sempre esquece, agora com mais de 100 dias de administração, a popularidade do atual prefeito já está em queda,  e bote queda nisso, é tão visível o desgaste administrativo do atual prefeito que sua assessoria passa o dia postando matérias em blogs querendo enganar o povo.





O pior de tudo isso foi por que enquanto o povo chorava pela perda do seu emprego o prefeito Mano e dois assessores estavam  hospedados  em Brasília, comendo do bom e do melhor e gastando o dinheiro publico.

Quero fazer aqui um desafio ao chefe da casa civil do nosso município! , divulgue o local onde vocês ficaram hospedados quanto foi as diárias e valor das passagens., sim e divulgue se conseguiram a ambulância por que pelo que eu sei essa viajem tinha o maior proposito de adquirir uma ambulância através do senador José Agripino., mas esse assunto ainda não foi abordado..... e é o que mas chama a atenção.   

Pedido de desfiliação de Kelps Lima será avaliado no TRE-RN.



Uma audiência no Tribunal Regional Eleitoral, marcada para o próximo dia 30, começará a decidir o futuro da bancada do Partido da República (PR) na Assembleia Legislativa. 

Neste dia, sob a presidência do juiz Carlos Virgílio Fernandes de Paiva, será avaliado o pedido do deputado Kelps Lima para se desfiliar da legenda.

O pedido de Kelps Lima foi apresentado em março à Justiça Eleitoral. Notificado, o PR discordou das razões apresentadas pelo parlamentar para se transferir da legenda e argumentou, formalmente, que não há razões o deputado alegar justa causa.


De posse dos argumentos do deputado e do diretório estadual do PR, a Justiça Eleitoral promoverá o julgamento do processo.

Se o TRE acatar suas razões, Kelps Lima estará liberado para deixar o PR sem ser acusado de infidelidade contrária. Caso não tenha as razões acatadas, Kelps não poderá deixar a legenda.

Do Jornal De Fato