20 de abr de 2013

A IMAGEM DA SEMANA NÃO PODERIA SER OUTRA





PREFEITO DE UMARIZAL "MANO ONOFRE" DECEPCIONA SEUS ELEITORES NO MOMENTO EM QUE DEMITE TODOS ELES ...... TEM MUITA GENTE COM RAIVA E SE A ELEIÇÃO FOSSE SEI LÁ COMO SERIA O RESULTADO DAS URNAS.

Do ministro Joaquim Barbosa, em Alcaçuz: “É muito desumano ver o que nós vimos aqui hoje”

Joaquim Barbosa em Alcaçuz (Fotos: Tasso Pinheiro/TJ)
Depois de prometer à governadora Rosalba Ciarlini que irá acompanhá-la em audiência no Ministério da Justiça, para pedir pressa na liberação de dinheiro para construção de presídios no Rio Grade do Norte, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, visitou a Penitenciária de Alcaçuz.

“É muito desumano ver o que nós vimos aqui hoje”, disse o ministro depois de passar pelo Pavilhão II da Penitenciária.
O ministro, que também preside o Conselho Nacional de Justiça, presenciou a forma como estão alojados só os mais de 160 presos daquele pavilhão.
Em todo o presídio são mais de mil.
Celas sem ventilação ou iluminação, gambiarras nas fiações elétricas, urina escorrendo pelos corredores, estrutura física degradada, forte cheiro de urina e fezes, problemas com o sistema de esgoto…foi o que o ministro constatou.
“Muito pouco ou quase nada foi feito do último mutirão para cá. As coisas não evoluíram. As autoridades desse estado precisam refletir seriamente sobre esse problema. É um avanço civilizacional que precisa ser feito urgentemente porque as consequências desse descaso, desse abandono, se refletem no desassossego social”, declarou o ministro em coletiva à imprensa.
“O governo do Estado sabe muito bem o que precisa ser feito, já há dois anos. Nada foi feito, há reclamações de que há entraves administrativos. Me prontifiquei a conversar com a governadora do Estado e o ministro da Justiça para remover esses entraves”, afirmou Barbosa.
“A medida a ser feita quem tem que fazer não somos nós, o Judiciário. O que falta aqui na verdade é a tomada de deliberações concretas no sentido, pelo menos minimizar uma situação que é caótica, que é desumana”, encerrou.

FONTE: THAIZA GALVAO