23 de out de 2015

Deputado explica porquê mudou de grupo político em Umarizal

Determinação do diretório estadual do DEM e falta de sintonia política com diretório municipal levaram o deputado Getúlio Rego a mudar de grupo político em Umarizal. Foi o que ele disse nessa quinta-feira (22), em entrevista na FM Fraternidade 104,9. Getúlio colocou a ex-candidata a prefeita Elijane Paiva como presidente e o ex-vereador Chico de Brancar como vice do partido no município.
“Eu fui notificado pela direção estadual do partido e tive que renovar as comissões provisórias, pois todos os diretórios do partido no estado estavam caducos, vencidos. Nós vamos ter uma eleição no próximo ano e ninguém sabia se a legislação ia permitir por exemplo que você ia poder se filiar até seis meses antes da eleição para sair candidato. Tinha que ser até o dia 30 de setembro. Foi uma coisa imediata”, justificou.
Getúlio lembrou que quem estava cuidando do partido eram indicados do ex-prefeito Rogério, mas, como “não houve a sintonia”, com o diretório estadual democrata, as mudanças tiveram que ocorrer.
“Quem cuidava do partido era nosso amigo Rogério, mas Rogério teve que sair. Ele me comunicou que teria que ir para o partido da então governadora Wilma. Ele indicou as pessoas para cuidarem do partido, mas não houve a sintonia junto a direção do estadual pra renovar o diretório”, esclareceu.
Leo Silva - O Umarizalense - Referência na informação.

Deputado critica demissões e diz que divergências políticas dentro do grupo governista são responsáveis por crise

O deputado Getúlio Rêgo (DEM) disse estar “preocupado” com as demissões que o governo do prefeito em exercício, Marcos Fernandes (PSD), vem realizando. O líder democrata falou sobre a crise financeira que os municípios do país enfrentam devido à queda dos repasses da União e mencionou ainda a acusação do vereador Naldo, que na sessão da última terça (20), disse que o prefeito estaria oferecendo emprego em troca de filiação ao seu partido, o PSD.

“Eu me preocupo muito com as notícias que já recebi de Umarizal de que as pessoas estão sendo chamadas pra ouvir: Vocês vão ser demitidas daqui a dez dias, vinte dias. Você não vai ter direito a ganhar dinheiro por mais dez dias e depois tem uma conversa pessoal [pra saber] se [o empregado] vai rezar pela cartilha e pensamento político de quem está no comando. Eu acho isso perigoso”, disse o deputado.

Getúlio atribuiu a crise financeira que Umarizal enfrenta à má administração municipal dentro de um grupo “divergente” politicamente. “Se um município como Umarizal, que tem uma população maior, em que o prefeito se elege dentro de uma aliança política onde os pensamentos são divergentes e compõe uma equipe que não é muito harmônica do ponto de vista político, tai o exemplo hoje acontecendo hoje em Umarizal”, destacou.

Apesar das críticas, o deputado disse que torce pelo sucesso da gestão e que não irá “jogar pedras” no prefeito interino Marcos por “não está havendo sucesso na administração”.

“Quero desejar para gestão atual êxito, sucesso porque quem ama Umarizal como Getúlio ama, mesmo quando o adversário está tomando conta do cargo do prefeito não posso querer que o povo sofra, quero que o povo seja bem atendido. Se depender de mim vai ser assim”, disse Getúlio.

Leo Silva - O Umarizalense - Referência na Informação
Foto: Raniele Gomes

"Não me sinto responsável", diz Getúlio sobre rejeição do governo de Mano


O deputado Getúlio Rego (DEM) disse que não se sente responsável pela rejeição do governo do prefeito afastado, Mano Onofre (DEM). O líder político Democrata atribuiu o fracasso do governo de Mano às divergências políticas que ocorreram dentro das alianças que foram formadas ainda na campanha passada para sua eleição. Mano foi indicação de Getúlio para ser candidato, em acordo com os partidos aliados que formam ainda hoje o grupo governista.

“Rejeição em política é uma coisa que não tem como prever se vai acontecer ou se não vai. Na última campanha política muitas pessoas me procuram pra dizer: Não vá acompanhado de Mano que você vai perder voto. Quando Mano estava pretendendo ser candidato a prefeito, houve compromisso dele ser candidato. Daí, começaram a criar dificuldade pra ele não ser. Como é que eu poderia imaginar o que ia acontecer na gestão?”, disse o deputado em entrevista na tarde dessa quinta-feira, 22, no programa Evidência.

O deputado disse também que não foi consultado nas decisões administrativas e políticas tomadas pelo prefeito Mano em seu governo e que isso também contribuiu para seu distanciamento do grupo governista.

“O que acontece é que Mano foi eleito dentro de uma aliança política que era mesclada. Tinha várias tendências políticas. Eu nunca interferi no processo administrativo de nenhum dos prefeitos que ajudei a eleger. Todos tiveram autonomia de formar equipes. Nunca fiz indicação de nenhum secretário municipal, mas se eu sou consultado, eu tenho minha opinião a dá”, disse Getúlio que ainda fez referência a Operação Negociata que culminou com o afastamento de Mano e a prisão do ex-prefeito Rogério Fonseca.

“Nos fatos que ocorreram lamentáveis em Umarizal, ninguém me pediu opinião, porque se tivesse pedido o desfecho não estava sendo esse que está acontecendo aqui. Por tanto não me sinto responsável por nenhuma frustração de expectativa administrativa”, assegurou Getúlio.
Leo Silva - O Umarizalense - Referência na Informação