20 de jun de 2013

Só o Ratinho mesmo pra ter coragem de falar a verdade em rede nacional. Quem não viu o vídeo


Aprovação do governo Dilma cai 8 pontos, segundo CNI/Ibope

Chico de Gois (Email · Facebook · Twitter)
Demétrio Weber (Email)
Publicado:
Atualizado:

BRASÍLIA — Pesquisa CNI/Ibope, divulgada nesta quarta-feira, aponta uma queda de oito pontos percentuais na aprovação do governo Dilma e de igual percentual no jeito como ela comanda o país. O levantamento demonstrou ainda um pessimismo da população em relação o restante da gestão da petista. A pesquisa ouviu 2.002 eleitores, em 142 municípios, entre os dias 8 e 11 de junho, portanto, antes da repressão policial contra os manifestantes, na quinta-feira passada, dia13, e antes de o movimento se espalhar por todo o país, levando milhares de pessoas às ruas para demonstrar seu descontentamento.
De acordo com a pesquisa, 55% dos eleitores consideram o governo bom ou ótimo. Em março, eram 63%. Para 13%, a gestão dela é ruim ou péssima, um aumento de oito pontos percentuais em relação a março, quando apenas 7% tinham essa avaliação. O índice de regular teve uma variação de 29% para 32%.
Segundo a pesquisa, os brasileiros também estão mais críticos ao jeito de Dilma governar. Enquanto em março 79% aprovavam a maneira como a presidente administra o país, agora são 71%; 25% desaprovam.A expectativa dos eleitores em relação ao restante do mandato da presidente também se mostrou mais negativa. Para 55%, esse um ano e meio será ótimo ou bom; em março, 65% tinham essa expectativa. Já 14% preveem que o fim de mandato será ruim ou péssimo.

Apesar da queda na popularidade, Dilma continua sendo mais bem avaliada, em seus pouco mais de primeiros dois anos de mandato, do que seus antecessores. No mesmo período, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) era aprovado por 34%, e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), por 35%.
A queda da popularidade foi maior entre a população com maior renda. Segundo o levantamento, a aprovação caiu de 77% para 50% entre os que têm renda familiar acima de dez salários mínimos.
Uma das principais críticas dos entrevistados está no combate à inflação. No último levantamento, em março, 47% disseram desaprovar a maneira como o governo tratava o tema. Agora, esse índice subiu para 57%, a maior taxa desde março de 2011, quando foi feita a primeira pesquisa sobre o governo Dilma.
O Ibope também aferiu que o boato sobre o fim do Bolsa Família foi a notícia mais lembrada pela população - 15% citaram esse fato; para 10%, a notícia mais lembrada foi a entrega dos estádios e o atraso no cronograma das obras.
Cardozo não vê relação da pesquisa com onda de violência
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse após a divulgação da pesquisa que não vê relação nenhuma entra a onda de protestos no país e a queda de popularidade da presidente:
— A pesquisa é uma situação episódica, decorrente de situações muito pontuais e conjunturais. O índice de aprovação do governo continua muito alto. Pesquisas são retratos de momentos que se alteram. Então, não vejo relação nenhuma de causa e efeito entre um governo que é muito bem avaliado e as manifestações. Acho que as manifestações têm o seu conteúdo, a sua razão de ser, e cabe a nós, governantes, ouvir e refletir.

POPULAÇÃO DEMOSTRA DESCONTENTAMENTO COM O ATUAL PREFEITO E COLOCAM PLACAS EM CANTEIRO DE RUAS.

ESTA FOI COLOCADA POR MORADORES DA RUA ALMAQUE DIAS


Eu como responsável por esse blog fui convidado por varias pessoas da rua almaque dias para ver de perto a situação que se encontrar uma das maiores ruas de nossa cidade., e como vocês podem ver, são muitos os buracos e se torna quase intransitável a circulação pela aquela rua.
O trecho mais afetado está entre a casa de Bessa filho de Toinho até o final das carrocerias vicunhas, com tanta indignação pelo fato do descaso publico varias pessoas colocaram uma placa para que o prefeito tome consciência do caso e faça alguma coisa.
É minha gente o povo está deixando de ter medo e sabe que o que é de direito de todos e obrigação do município., parabéns para esses moradores pela coragem.