17 de abr de 2018

Pequenas barragens começam a sangrar pra dentro do açude itans confira!



Tocador de vídeo
00:00
04:05











Boas chuvas nas cabeceiras do açude itans e sangrias de reservatórios começam a aumentar o volume de água
Do açude que abastece Caicó!

12 de abr de 2018

Prazo esgotando para os partidos


Os 35 partidos políticos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) têm até esta sexta-feira (13) para enviar a relação atualizada de seus filiados em todo o país. Essa regra é prevista na Lei nº 9.096/1995, segundo a qual as legendas devem entregar, anualmente, a lista aos juízes eleitorais de cada localidade sempre na segunda semana dos meses de abril e outubro.

10 de abr de 2018

Após chuvas, quatro reservatórios de água da região Oeste potiguar saem do volume morto

Resultado foi divulgado nesta segunda-feira (9) pelo Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn).

Por G1 RN
 
Chuvas dos últimos dias melhora situação hídrica do RN (Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi)Chuvas dos últimos dias melhora situação hídrica do RN (Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi)
Chuvas dos últimos dias melhora situação hídrica do RN (Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi)
As chuvas que caíram no interior do Rio Grande do Norte nos últimos dias fizeram com que quatro reservatórios da região Oeste do estado saíssem do chamado volume morto – nome que se dá à reserva de água mais profunda das represas, que fica abaixo dos canos de captação que normalmente são usados para retirar água. O resultado foi divulgado nesta segunda-feira (9) pelo Instituto de Gestão das Águas do RN (Igarn).
Deixaram a situação de volume morto os açudes Passagem, na cidade de Rodolfo Fernandes, Malhada Vermelha, em Severiano Melo, Açude Jesus, Maria, José, no município de Tenente Ananias, e Tourão, em Patu.
Dos 47 reservatórios com capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos monitorados pelo Igarn, atualmente, 15 estão em volume morto. Isso representa 31,91% dos mananciais monitorados. Em termos comparativos, no último relatório, divulgado no dia 2 de abril, os reservatórios em volume morto eram 19, o que representava 40,42% do total de mananciais monitorados.
Já os reservatórios que ainda estão secos são seis, 12,76% do total. No dia 2 de abril, 11 reservatórios ainda estavam sem água, 23,40% dos monitorados.

Reservatórios que saíram do volume morto:

  • Açude Passagem - Rodolfo Fernandes - 24% da capacidade total
  • Açude Malhada Vermelha - Severiano Melo - 14,54% da capacidade total
  • Açude Jesus, Maria, José - Tenente Ananias - 7,10% da capacidade total
  • Açude Tourão - Patu - 5,75% da capacidade total

Virou rotina .... Professores e servidores da rede municipal aqui da cidade de Umarizal , fazem mais uma parada ...





O motivo é o de sempre , "Salários atrasados"..

Desde do início da sua gestão , a prefeita de Umarizal "Elijane Paiva (DEM) não consegue se quer , administrar o seu conto de fadas em seu país ,das maravilhas....

A promessa de campanha, onde a senhora prefeita dizia que iria priorizar a educação, não passou de mais um Blefe político que servia para enganar os eleitores...

Em pouco mais de 1 ano e 3 messes de administração , Elijane Paiva ,já é considerada por muitos ,como a pior gestora já existente aqui em nossa cidade...

É triste dizer tudo isso , mas , é apenas a dura realidade que todos estamos enfrentando...

Ainda pensam em reeleição , sinceramente não acredito....

2 de abr de 2018

Temer recompõe ministério com prepostos do rebotalho

Considerando-se que sete em cada dez brasileiros rejeitam Michel Temer, interesse público é algo que poucos ainda acreditam que ele tenha. E o presidente, sempre que pode, demonstra que realmente não tem. Crivado de denúncias e inquéritos, Temer compõe uma nova equipe ministerial com os velhos suspeitos de sempre. O rebotalho continua dando as cartas.

“O que a Constituição garante é o duplo grau de jurisdição”

 Por Robson Pires, emNotas:

 A soltura de Lula é um golpe contra a democracia.  Carlos Velloso, no Estadão, foi didático:  “A execução da condenação em segundo grau é a regra em países de boa prática democrática. No Brasil, essa era a regra, até quando o Supremo Tribunal reformulou a jurisprudência (…).