1 de abr de 2011

PSD nasce no RN com dois federais, pelo menos quatro deputados estaduais e o vice-governador Robinson Faria



Robinson e as principais lideranças do PMN, à exceção de Antônio Jácome, irão migrar para o PSD


O grupo político liderado pelo vice-governador Robinson Faria vai migrar para o PSD, novo partido que está sendo criado pelo prefeito de São Paulo Gilberto Kassab.

Nesta quinta-feira(31), Robinson esteve em São Paulo juntamente com o deputado federal Fábio Faria e os deputados estaduais Ricardo Motta e Raimundo Fernandes. Todos do PMN.

O grupo esteve reunido com o prefeito Gilberto Kassab para acertar os últimos detalhes para o ingresso no PSD. “Já está tudo certo”, disse Robinson em entrevista à Tribuna do Norte.

O novo partido nascerá forte no Estado. Além do vice-governador, o PSD deverá contar em seus quadros com dois deputados federais – Fábio Faria e Paulo Vagner -, 6 deputados estaduais – Ricardo Motta, Raimundo Fernandes, Gesane Marinho e José Dias -, dois vereadores da Câmara Municipal de Natal – Chagas Catarino e Alberto Dickson -, além de vários prefeitos.

Dois outros deputados poderão ingressar no PSD: Gustavo Carvalho e Vivaldo Costa. Caso isso ocorra, o PSD passará a ter a maior bancada na Assembléia Legislativa, com 6 deputados, já que o PMDB perderia um representante, no caso o deputado José Dias.

Do PMN, apenas o deputado Antônio Jácome não migrará para o novo partido. Jácome está rompido politicamente com Robinson Faria e não faz mais parte do grupo liderado pelo vice-governador.

É bom ressaltar que o vice-governador Robinson Faria e os deputados que pretendem deixar seus partidos para ingressar no PSD não correm o risco de perder seus mandatos em razão da Lei da Fidelidade Partidária.

É que a Lei da Fidelidade Partidária permite que o político com mandato ingresse num novo partido sem o risco de perder o mandato.

Ingresso do grupo de Robinson Faria no PSD não será de imediato, pois o partido ainda não existe no País

O ingresso do grupo político do vice-governador Robinson Faria ao PSD não será de imediato.

É que o novo partido ainda não existe oficialmente. Para passar a existir, o PSD terá que colher 500 mil assinaturas em nove Estados. É uma exigência da Lei Eleitoral.

Isso pode levar o PSD a não conseguir o registro judicial até setembro deste ano. Por causa desse temor, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, tem orientado seus seguidores a retardarem a desfiliação de seus atuais partidos.

Confira o que diz a coluna Painel da Folha de S.Paulo sobre o assunto:

Pause - O temor de que o nascituro PSD fracasse na obtenção de registro judicial até setembro colocou um freio na desfiliação do DEM de prefeitos e deputados que serão candidatos em 2012. Mesmo os que já assumiram compromisso público de migrar para o partido de Gilberto Kassab desconfiam de seu cronograma de formalização. O pleito do PTB sobre a "patente" da sigla também contribui para o clima de incerteza. Diante da perspectiva de perder musculatura em sua empreitada, o prefeito paulistano tem orientado seus seguidores na mudança partidária a protelar ao máximo a desfiliação. Isso preocupa a cúpula nacional do DEM, ainda receosa de que Kassab consiga manter nichos de influência na legenda.

Tudo a seu tempo - Advogados contratados para viabilizar o PSD alegam que o momento é de "construção política" da legenda e que a coleta das quase 500 mil assinaturas em nove Estados, exigida por lei, ocorrerá num segundo estágio.

Ficção - Agripino Maia, presidente nacional do DEM, afirma que o partido não recebeu nenhum pedido oficial de desligamento. "O próprio Kassab só renunciou à Executiva. O Indio [da Costa] também. É muita falação e nada concreto", diz Agripino.

PREFEITO DE UMARIZAL É ABSOLVIDO PELO TRE


O prefeito Rogério Fonseca e o seu vice Carlidson Pereira de Melo foram absorvidos pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) em julgamento hoje a tarde (31) em Natal.
Rogério era acusado de compra de votos e abuso de poder econômico e caso fosse condenado teria de imediato seu diploma cassado. Em documento datado do dia 21 de fevereiro de 2010, o procurador Fábio Nesi Venzon pedia a cassação do prefeito e do vice. O processo chegou a entrar em pauta, no entanto, o juiz relator Fábio Hollanda o retirou da pauta na época.
Na semana passada novamente teve-se início mais uma vez o julgamento, só que mais uma vez foi adiado e hoje a decisão saiu. Por 4 votos a 2, Rogério Fonseca permanece a frente da administração municipal até o fim do seu segundo mandato em 2012.
Rogério foi representado na ação pelo advogado Verlano de Queiroz Medeiros e o vice Carlindson (Mano) foi representado pelo advogado Marcelo Fernandes Jácome. Já a Coligação Respeito Pelo Povo (PR, PMDB, PP,PDT, PV, PRB, PSDB), pelo advogado Francisco Marcos de Araújo.

Veja: PREFEITO DE UMARIZAL É ABSOLVIDO PELO TRE

postado por cleumy candido ás 10:41