6 de jan de 2016

Exclusividade: Vereadores cassam o prefeito de Alexandria Ney Moacir Rossato

PREFEITO AFASTADO PELA CÂMARA MUNICIPAL HOJE PELA MANHA.  

PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE ALEXANDRIA  " Raimundo Ferreira de Andrade " (PSD) - ELE ESTÁ SENDO EMPOSSADO NESSE MOMENTO PARA CONDUZIR O CARGO DE PREFEITO MUNICIPAL.

Por 8 votos a 1, o prefeito de Alexandria, Ney Moacir Rossato, acaba de ter o mandato cassado.Ney respondia a 14 processos e 3 foram até o fim, motivando o afastamento.

Apesar da defesa do prefeito, numa sustentação oral de mais de duas horas, apresentando documentos de um convênio entre a Prefeitura e duas clínicas em Alexandria, os vereadores decidiram pela acusação de improbidade administrativa.

Para Ney Rossato, uma decisão política para favorecer o grupo político do desembargador Expedito Ferreira de Souza, que já lançou a pré-candidatura de sua esposa, Jeane Ferreira, à Prefeitura de Alexandria.

Com a cassação de Ney, assume o presidente da Câmara, vereador Raimundo Andrade, já que o vice-prefeito Edilberto Oliveira, morreu.


A informação em Alexandria é que Raimundo, autor de ações contra Ney, será o companheiro de chapa de Jeane Ferreira nas eleições de outubro.

Na hora de comprar o material escolar do seu filho procure sempre quem vende mais barato... Aqui em Umarizal o mercadinho Oliveira é o pioneiro em vendas de material escolar de boa qualidade e de melhor preço.. Mercadinho Oliveira no centro de Umarizal. Org: Filho Cabral.





Política / Umarizal caminha para ter candidato (a) unico (a) nas eleições municipais deste ano.


Tudo indica que a disputa nas urnas das eleições deste ano ficará mesmo para o cargo de vereador, até o exato momento aqui em nossa cidade ninguém sabe se terá mesmo dois candidatos na disputa do cargo de prefeito, a situação do prefeito em exercício Marcos Fernandes não está fácil, ele corre o risco de não poder disputar a reeleição tão desejada por ele e por poucos que ainda o seguem, Marcos Fernandes corre o risco de não poder ser candidato nem a vereador.

 Tudo isso por que a justiça pode cassar a chapa do prefeito afastado Mano Onofre por crime eleitoral, e com isso os direitos políticos do prefeito em exercício ficaria negativado pôr no mínimo (08) oito anos.

Vale lembrar que a pedagoga Elijane Paiva (DEM) é pré-candidata a prefeita desde de outubro de 2012 quando foi derrotada por Mano Onofre.

Tudo pode acontecer, está previsto para o próximo dia 26 deste Mês, que um pedido de retorno ao cargo do prefeito afastado Mano Onofre entre em pauta para uma possível decisão judicial,  por que já existe esse pedido formulado (feito) pela defesa de Mano.


Então pode chover granizo na terrinha do gavião ainda esse mês.           

Litro da gasolina chega a R$ 10 na PB e Ministério Público abre inquérito


20130130053149_cv_gasolina_gdeA instabilidade no abastecimento de postos de combustíveis na Paraíba tem feito com que a gasolina seja comercializada a preços exorbitantes no estado, como no Sertão, onde o litro produto é vendido por até R$ 10 por terceiros. O Ministério Público da Paraíba se reuniu da manhã desta terça-feira (5), com órgãos de defesa do consumidor e com o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo da Paraíba (Sindipetro-PB), em João Pessoa, para tratar sobre o problema do desabastecimento, e abriu um inquérito civil administrativo para apurar por que está faltando combustível nos postos do estado.



Na cidade de Itaporanga (Sertão paraibano, a 420 km de João Pessoa), os valores cobrados pelo litro do combustível passam de R$ 7. Internautas relatam que chegaram a pagar R$ 10. O superfaturamento é feito pelos próprios moradores da região, que ao encontrar um posto abastecido compram grande quantidade visando revender o produto. Ao Portal Correio, o proprietário de um posto de combustíveis da região, Marcus Antônio Bernardino, disse que o preço cobrado no estabelecimento é R$ 3,90. Porém, desde domingo não há mais gasolina disponível para venda no local.

Reforma eleitoral provoca incerteza para partidos e candidatos


binoculo urnaO ano de eleições municipais começa com algumas incertezas não só políticas, como no campo jurídico. Além das dúvidas sobre o futuro da presidente Dilma Rousseff, alvo de um processo de impeachment – e que pode causar reflexos nas disputas regionais –, 2016 será regido pela nova legislação, aprovada em setembro, que altera desde prazos até os custos das campanhas eleitorais a partir de agora.
O ano terá ainda o maior número de partidos políticos na disputa das urnas – atualmente, são 35 registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) –, as campanhas serão mais curtas – 45 dias, segundo a nova regra – e também tendem a ser mais modestas, pois a nova lei proíbe o financiamento de candidatos por meio de doações de empresas.

Além disso, há novas normas sobre propaganda política: as restrições de divulgação de nomes e números aumentaram e nem mesmo os tradicionais cavaletes serão permitidos. “A primeira grande pergunta que fazemos é como serão feitas as campanhas. Haverá um aumento da fiscalização do Ministério Público Eleitoral para evitar que aqueles que querem continuar a fazer campanhas milionárias possam utilizar eventualmente o caixa 2 e outras práticas ilícitas”, advertiu André de Carvalho Ramos, procurador regional eleitoral, ao Estadão.

Ministro da Justiça promete recompor orçamento da Polícia Federal


Após irritação e críticas de delegados da polícia federal, o Ministério da Justiça, responsável pelo órgão, já admite a possibilidade de recompor o orçamento da categoria – que tem previsão de corte de R$ 133 milhões para este ano. Na última semana, a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) anunciou que a redução no valor previsto colocaria em jogo investigações em curso, como a Operação Lava Jato.



O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, rebateu nesta terça-feira, 5, a possibilidade de que o orçamento afete as apurações. “A Polícia Federal tem sido total prioridade do Ministério da Justiça. Esse é o compromisso que temos e que todos conhecem. Jamais faltará verba para a Lava Jato ou qualquer outra operação ou projeto estratégico da Polícia Federal”, afirmou Cardozo.