5 de ago de 2013

Henrique e Renan, os gastadores


Está no site Contas Abertas. Os gastos do Congresso Nacional, desde a posse de Henrique Alves na presidência da Câmara e de Renan Calheiros no mesmo posto do Senado, foram R$ 140 milhões a mais do que no mesmo período de 2012.

Entre março e junho deste ano, R$ 2,7 bilhões foram pagos, sendo R$ 1,2 bilhão referentes ao órgão comandado por Renan e R$ 1,5 bilhão pela Casa sob a responsabilidade de Alves.

Tudo isso para manter 513 Deputados Federais e 81 Senadores.

Rosalba já é vista como carta fora do baralho para as eleições de 2014









Até o meio deste ano, ainda havia quem apostasse na recuperação política da governadora Rosalba Ciarlini (DEM). No entanto, ela entrou o segundo semestre ainda pior do que começou, no que diz respeito à avaliação da opinião pública.

Sem conseguir reverter a crise do seu governo, faltando um ano para as convenções, a democrata é vista como carta fora do baralho nas articulações políticas com vistas ao pleito do próximo ano.

A situação é cada vez mais grave. As medidas antipáticas do governo provocam rejeição em todas as camadas da sociedade. Pior que isso: a governadora, com dois anos e meio de gestão, não conseguiu cumprir a promessa de “fazer acontecer”.

Não é só o financeiro que está em crise. A Saúde teve seus problemas agravados. Os servidores estão insatisfeitos. A insegurança toma conta do Estado. Os programas sociais estão praticamente parados. Não existe uma área em que a governadora tenha deixado uma marca positiva.

Assim como ocorreu com a ex-prefeita de Natal Micarla de Sousa (PV), dificilmente a democrata terá condições políticas de disputar a reeleição. O cenário de Natal, visto no ano passado, começa a se armar em nível estadual. Os personagens são diferentes, mas a história tem muitas semelhanças.


Fonte: Obsevatorio RN

Prefeita de Martins enfrenta protesto no fim de semana do Festival Gastronômico

 
 
Em pleno fim de semana de Festival gastronômico de Martins, um protesto tomou conta das ruas da cidade serrana no final da tarde.
Adversários da prefeita Olga Fernandes, do DEM, protestaram contra o domínio de 50 anos da família Fernandes no município.
Os manifestantes reclamaram de corrupção, de fraude em concurso, e cobraram a abertura do hospital construído há 12 anos e nunca aberto pela Prefeitura.
Mas a gota d’água, que deu origem ao manifesto, foi a não autorização, por parte da prefeitura, para a circulação de uma van fazendo transporte alternativo entre Martins e Mossoró.
O proprietário da van, Marcos da Besta, denuncia perseguição política.
À noite, na praça onde acontece o festival, o protesto se resumiu à distribuição de panfletos.

Fonte: Thaisa Galvão