12 de mar de 2015

Eduardo Cunha: “Corrupção está no governo, não no Parlamento”

Em entrevista ao jornal El País, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, acusa o Executivo de tentar transferir crise para o Legislativo e diz que “porteira” para corrupção na Petrobras foi aberta no governo FHC


Um dos alvos da Operação Lava Jato, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), diz que a corrupção não está no Parlamento, mas no governo. Entre os políticos que serão investigados no Supremo Tribunal Federal, o peemedebista acusa o Executivo de tentar transferir sua crise para o Legislativo.Esse é um esquema do Poder Executivo. A corrupção está no governo, não está no Parlamento. Eventualmente, alguém do Parlamento pode ter se beneficiado da corrupção do governo, o que é uma coisa que está sendo investigada. Há um esquema sistêmico de corrupção da Petrobras”, afirmou em entrevista ao jornal El País.

“Esgotamos todos os recursos para combater a crise”, diz Dilma

Dilmaestadaoestadao2

Deputados estaduais ampliam diálogo em encontro com o Governador Robinson Faria.


Os deputados estaduais reuniram-se na manhã desta quinta-feira (12) com o Governador do Estado, Robinson Faria (PSD). O encontro teve como pauta proporcionar aproximação entre os poderes Executivo e Legislativo. 

Presente no encontro, o presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira (PMDB), avaliou que a boa relação entre os poderes é fundamental, desde que respeitada a autonomia de cada poder. "O encontro informal com o governador aproxima o trabalho feito no poder Legislativo e Executivo e o desejo dos deputados em ver um Rio Grande do Norte mais desenvolvido", comentou.

José Dias sobre o café de Robinson com os deputados: desse aí eu não tomo!



O deputado estadual José Dias não vai participar do café da manhã oferecido pelo governador Robinson Faria aos deputados estaduais.

Outros deputados também estarão fora. Zé dias foi o mias enfático: Não me inclua nesse café, Desse aí eu não tomo, teria revelado José Dias.

Lava-jato: PP arrecadou propina até em negócio com Viagra. Imoral!


viagra pequenaO doleiro Alberto Youssef – peça central da Operação Lava Jato – afirmou em sua delação premiada que o esquema de arrecadação de propina do PP via José Janene (PP-PR) – morto em 2010 – atuou também no Ministério da Saúde e na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), chegando a render comissionamentos sobre uma transação envolvendo o medicamento Viagra.
“O PP possuía cargos importantes no Ministério da Saúde e na Anvisa, tendo recebido comissionamentos junto a laboratórios”, disse Youssef, em depoimento no dia 21 de outubro de 2014, dentro de seu acordo de delação premiada – agora sem sigilo. Ele atribui a informação a Janene – o ex-líder do PP, que foi pego no mensalão do PT e desencadeou a origem da Operação Lava Jato.

Aos investigadores, Youssef disse lembrar que o laboratório Pfizer era um dos envolvidos, “sendo a operação ligada ao medicamento Viagra” – lançado no fim da década de 90. Composto de citrato de sildenafila, o Viagra é usado no tratamento da disfunção eréctil no homem. O fármaco também é usado como medicamento para hipertensão pulmonar – nesse caso, a Lava Jato já investigava a atuação, em 2014 do doleiro, no Ministério, via laboratório Labogen.