27 de jun de 2012

Rosalba recebe time da Fifa na Arena


Desde ontem à noite em Natal, o secretário-geral da FIFA Jérôme Valcke acompanhado por membros do Conselho de Administração do COL, Bebeto e Ronaldo, o secretário executivo do Ministério do Esporte, Luis Fernandes, e o artista plástico pernambucano Romero Britto.

A viagem faz parte de uma inspeção de 3 dias de Valcke por cidades sede da Copa de 2014.

Segundo a assessoria do Governo Rosa, as obras da Arena das Dunas estão dentro do cronograma esperado. Ou seja, o atraso tão alardeado pela grane imprensa é coisa do passado.

Edivan Martins pode ser candidato do PV a prefeito


Apesar de a prefeita Micarla de Sousa (PV) ter decidido de última hora não disputar a reeleição, o Partido Verde (PV) deverá ter candidato a prefeito nas eleições de outubro. O presidente da Câmara Municipal de Natal, vereador Edivan Martins (PV), admitiu, em entrevista ao Diário de Natal, que poderá disputar a chefia do Executivo. Embora tenha enfatizado que seu projeto político atual é a renovação do mandato, o parlamentar disse que vai conversar com o partido e ouvir os aliados para tomar uma decisão.

Vereador ressalta que atualmente seu projeto político é concorrer à reeleição. Foto: Carlos Santos/DN/D.A Press


O primeiro nome cogitado para a disputa foi o do ex-deputado estadual Luiz Almir (PV), que desistiu. Os pevistas e progressistas querem Edivan na cabeça da chapa majoritária. "Meu nome está sendo cogitado. Tenho recebido muitos apelos da militância do partido, companheiros do PV e também de outras agremiações, como o vice-prefeito de Natal Paulinho Freire (PP), dos vereadores, que me ligaram hoje (ontem), fazendo esse apelo. Vou conversar com o PP e também com o Partido Verde (PV) e a gente tomará uma posição", declarou.

Apesar de ter ressaltado que atualmente seu projeto político é concorrer à reeleição, o parlamentar disse que não descarta a candidatura a prefeito. Edivan é visto como único nome viável para concorrer ao Executivo dentro do PV. "Até o momento, não cogito. Vou ouvir os companheiros de partido, os outros que integram esse arco de aliança para que a gente conjuntamente decida a posição que o partido irá tomar nessa eleição", declarou.

Segundo Martins, a decisão poderá ser protelada até a convenção do partido, que será realizada na sede social do América Futebol Clube, no sábado pela manhã. "O partido deve se reunir hoje (ontem) ainda para avaliar esse novo quadro, com a desistência da prefeita Micarla de Sousa, para ver o rumo que deve tomar nesta eleição. Nós queremos sair sim com candidato, dependendo dos nomes que se apresentem e diante da viabilidade desses nomes. Vai depender muito da reunião. Até a hora da convenção, tomaremos a decisão", declarou.

Apesar de o apoio de PV e PP ao pré-candidato do PMDB, deputado estadual Hermano Morais, ser cogitado nos bastidores, Edivan disse que a tendência, independente de ser o nome dele, é o lançamento da candidatura própria pelo PV. "Nós estamos em contato permanente com o vice-prefeito Paulinho Freire e com certeza iremos tomar uma posição conjunta. Não sabemos ainda qual. No primeiro momento, a posição do PV é de lançar uma candidatura dessa aliança", ponderou.

De acordo com Edivan, o ex-secretários de Obras Públicas e Infraestrutura (Semopi) Sérgio Pinheiro (PTN) também continuará no grupo. "Vamos ver o desenrolar das conversas, a militância do partido, os dirigentes de todos os partidos. O PTN também. Com certeza, iremos tomar uma posição que fortaleça esses partidos e marche para a vitória. A tendência mais forte é o lançamento de um nome saído desses partidos", finalizou.

deu no diario de natal online

--------------------------------------------------------------------------------




Resumo das notícias dos principais jornais do país nesta quarta-feira

27 de junho de 2012

O Globo

Manchete: Revisor libera processo e mensalão já tem data

Julgamento no STF agora está previsto para começar no dia 2 de agosto

O ministro revisor do mensalão, Ricardo Lewandowski, concluiu ontem seu voto e devolveu os autos do processo para o Supremo Tribunal Federal (STF), garantindo assim que o julgamento possa ter início no dia 2 de agosto. Lewandowski demonstrou irritação com as pressões que sofreu para que concluísse seu voto até anteontem, para que o julgamento pudesse ter início no primeiro dia de agosto, conforme previa o calendário da Corte. “Foi o voto-revisor mais curto da história do STF. A média para um réu é de seis meses. Fiz das tripas coração para respeitar o que foi estabelecido pela Suprema Corte.” Para manter o cronograma inicial — o STF entra em recesso em julho e é preciso divulgar a pauta com três dias de antecedência —, o presidente do órgão, Carlos Ayres Britto, cogitou a publicação ontem de uma edição extra do Diário da Justiça, mas foi convencido pelos demais ministros que, mesmo sendo comum na rotina do Supremo, a atitude poderia dar aos réus motivos para pedir a nulidade do julgamento. (Págs. 1 e 3)

Merval Pereira
O voto-revisor de Lewandowski caminha no sentido de indicar que o STF deve optar por penas mais brandas.

Lula e Haddad são multados por fazer campanha em TV (Págs. 1 e 10)

Calote aumenta no país; juros caem

A inadimplência atingiu 8% em maio, mesmo nível de novembro de 2009, no auge da crise. No cartão de crédito, o atraso bateu recorde: 30% das dívidas. Já os juros nos empréstimos a pessoas físicas caíram de 41,8% para 38,8%, o menor em 18 anos. O governo lança hoje plano para injetar na economia até R$ 6 bilhões. (Págs. 1, 19 e Míriam Leitão)

Obituário

Marcos Vianna, desenvolvimentista que presidiu por mais tempo o BNDES, de 1970 a 1979 (nos governos Médici, Geisel e Figueiredo). Aos 78 anos, no Rio. (Págs. 1 e 23)

Toffoli dará a palavra final sobre contas-sujas

O ministro Dias Toffoli dará o voto de desempate no TSE que decidirá se os contas-sujas podem concorrer nas eleições deste ano. Ontem, o julgamento estava 3 a 3 quando Toffoli, último a votar, pediu vista do processo, suspendendo a sessão, que deve ser retomada amanhã. (Págs. 1 e 10)

Cachoeira retirou nome de contrato de casa

Gravações mostram que, ao negociar a compra da casa do governador Marconi Perillo (GO), Carlinhos Cachoeira pediu que seu nome fosse retirado do contrato. (Págs. 1 e 9)

Queda de homicídios no Rio tem novo recorde

Os 1.784 homicídios dolosos registrados nos cinco primeiros meses do ano representam redução de 8,3% em relação ao mesmo período de 2011 e o menor índice em 21 anos, em toda a série histórica. A taxa de 10,9 por 100 mil habitantes está perto da aceita pela OMS. (Págs. 1 e 15)

Sem Paraguai, Mercosul pode ter Venezuela

Os governos de Brasil, Argentina e Uruguai estão dispostos a receber oficialmente a Venezuela no Mercosul, na reunião de cúpula de Mendoza e atingir diretamente o Congresso paraguaio, responsável pelo impeachment-relâmpago do ex-presidente Fernando Lugo. O Paraguai é o único que ainda não aprovou a entrada da Venezuela no bloco. (Págs. 1, 25 e Elio Gaspari)

Justiça de SP condena Ustra por danos morais

O coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra foi condenado a indenizar por danos morais a viúva e a irmã do jornalista Luiz Eduardo Merlinho, torturado e morto em 1971 nas dependências do DOI-Codi de São Paulo, comandado na época por Ustra. (Págs. 1, 11 e editorial “Razão de ser da Comissão da Verdade”)

Volta ao Mundo

Rio+20, Egito, Grécia… Parecia que o mundo ia mudar, mas tudo foi só fachada. (Págs. 1 e Helena Celestino, 26)

Assad e ONU já falam em guerra na Síria

O ditador Bashar al-Assad e o relator da ONU Paulo Sérgio Pinheiro, que pela primeira vez pôde entrar na Síria, disseram ontem que o país está vivendo em estado de guerra. Para Pinheiro, que apresenta hoje o relatório da visita, os rebeldes estão mais bem armados, mas não conseguirão derrubar Assad por serem desconectados entre si. (Págs. 1 e 27)

——————————————————————————-

Folha de S. Paulo

Manchete: Ministro dá aval, e STF tem data para julgar o mensalão

Pressionado pelo presidente da corte, Lewandowski libera processo; tribunal marca primeira sessão para 2 de agosto

O ministro do STF Ricardo Lewandowski, revisor da ação do mensalão, liberou ontem o processo, o que permitirá o início do julgamento em 2 de agosto, apenas um dia após o prazo inicial. Alvo de pressão por parte do presidente da corte, Lewandowski havia afirmado à Folha que poderia finalizar o trabalho até sexta-feira.

Numa demonstração de insatisfação com a cobrança, o ministro disse que essa foi a revisão “mais curta da história do Supremo”, mas negou que tenha apressado a devolução por conta das pressões. “A média para um réu é de seis meses [são 38 réus no mensalão]. Eu fiz das tripas coração para respeitar o estabelecido.” (Págs. 1 e Poder A4)

Análise

Ministro usou a liberdade de tempo que a lei lhe concede, escreve Joaquim Falcão. (Págs. 1 e Poder A6)

Eleitores do PT reprovam aliança com Paulo Maluf

O apoio de Paulo Maluf (PP-SP) ao petista Fernando Haddad é rejeitado por 62% dos eleitores de São Paulo, segundo pesquisa Datafolha. Entre os que votam no PT, o índice chega a 64%.

Haddad perdeu dois pontos e continua em terceiro, com 6% das intenções de voto. A queda está dentro da margem de erro. Nádia Campeão, do PC do B, será anunciada para a vice. (Págs. 1 e Poder A8 e A9)

Justiça condena coronel Ustra a pagar indenização

Na primeira condenação para que um agente da ditadura pague indenização, o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra terá de dar R$ 100 mil a familiares de Luiz Eduardo da Rocha Merlino, morto em 1971 devido a torturas. Cabe recurso. (Págs. 1 e Poder A7)

Justiça de São Paulo arquiva investigação contra Palocci (Págs. 1 e Poder A14)

Museu de Lula poderá utilizar recurso público (Págs. 1 e Poder A9)

Presidente do Paraguai diz que assumiu para evitar guerra

O presidente do Paraguai, Federico Franco, disse que, ao assumir o cargo, quis “evitar uma guerra civil”. Para ele, poderia ter havido “derramamento de sangue” no país, que não estava preparado para “quatro ou cinco meses sem eleições”.

O senador Fernando Collor defendeu a ação do Congresso que tirou Fernando Lugo do posto. (Págs. 1 e Mundo A16)

Elio Gaspari

É prepotente tirar o país da reunião do Mercosul. (Págs. 1 e Poder A8)

Dilma lança novo pacote para tentar acelerar economia

A presidente Dilma anuncia hoje medidas para recuperar o ritmo econômico no fim do ano. O foco será nas compras governamentais de bens de capital e de equipamento, mas atingirá também as áreas moveleira, farmacêutica e têxtil. (Págs. 1 e Mercado B1)

A inadimplência voltou a crescer e atingiu 6% em maio, maior índice desde junho de 2000 (Págs. 1 e Poder A15)

Editoriais

Leia “Freada de arrumação”, acerca de queda nas projeções para o PIB, e “Caciques em ação”, sobre caráter personalista das alianças políticas. (Págs. 1 e Opinião A2)

——————————————————————————-
O Estado de S. Paulo

Manchete: STF julga mensalão em 2 de agosto, após 7 anos

Cronograma do revisor, que levou 6 meses para dar parecer, indica que ele desceu ao mérito das questões

Sete anos após o caso vir à tona, os réus do mensalão vão a julgamento em 2 de agosto. Embora o parecer do revisor do processo, ministro Ricardo Lewandowski, tenha sido concluído ontem, com um dia de atraso, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, preferiu publicar o ato somente hoje no Diário De Justiça – e não em edição extra ontem – para evitar ações de impugnação. O tempo que Lewandowski levou para liberar o processo – seis meses – provocou mal-estar com Ayres Britto, que cobrara a entregada revisão. Veladamente, ministros alimentaram as críticas de que o presidente do Supremo estaria dando ao caso do mensalão trâmite não usual. O cronograma adotado por Lewandowski indica que ele desceu ao mérito das questões. Nos bastidores, a avaliação é de que o ministro construiu um voto que faz reparos ao voto do relator, ministro Joaquim Barbosa. (Págs. 1 e Nacional A4)

Ricardo Lewandowski

Ministro do STF

“Fiz das tripas coração para respeitar o que foi estabelecido pela Suprema Corte”

Sucessor de Lugo: “Não quero problemas com Brasil’

O novo presidente do Paraguai, Federico Franco, disse que quer enfrentar o isolamento de seu governo “com ações, e não palavras” e afirmou que teve de assumir para evitar uma “guerra civil”, informa Roberto Simon, enviado especial. Em entrevista a jornais sul-americanos, entre os quais o Estado, Franco disse querer evitar problemas com Brasil e Argentina. “Mandem a mensagem de que está tudo normal por aqui”, insistiu Franco três vezes durante a conversa. Segundo ele, o processo de impeachment do presidente Fernando Lugo foi sumário para evitar derramamento de sangue. Às vésperas da primeira reunião do Mercosul sem o Paraguai, Argentina, Brasil e Uruguai admitem que existe um “impasse democrático” com o vizinho. (Págs. 1 e Internacional A9, A11 e A12)

Federico Frango

Presidente do Paraguai

“Este é um governo constitucional”

Governo acelera compras para ajudar indústria

Em caráter de urgência, o governo anuncia hoje a antecipação de compras. Terão prioridade aquisições de setores que estimulem a indústria, como saúde, defesa e educação. O governo também quer exigir conteúdo local do setor de energia. (Págs. 1 e Economia B1)

Sacolas voltam aos mercados até amanhã (Págs. 1 e Vida A18)

Evo Morales já negocia com policiais “golpistas” (Págs. 1 e Internacional A12)

Embraer e Boeing vão criar cargueiro militar (Págs. 1 e Economia B13)

Coronel Ustra terá de indenizar vítima da ditadura

Em seu primeiro revés na Justiça, o coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra foi condenado apagar indenização de R$ 100 mil à família do jornalista Luiz Eduardo da Rocha Merlino, morto sob tortura no DOI-Codi em 19 de julho de 1971. (Págs. 1 e Nacional A8)

Eliana Cardoso

Vale-tudo, moralidade e filosofia

Erundina agiu como a maioria da população, cuja intuição moral combina de forma nem sempre consciente as teorias de Kant e do contratualismo.


POSTADO PPR CLEUMY CANDIDO FONSECA ÁS 08:11

Francisco Dantas/RN: Dr. Marcos Aurélio está confirmado como pré-candidato a prefeito da oposição.

O grupo oposicionista da cidade de Francisco Dantas/RN deverá confirmar o nome do jovem médico, Marcos Aurélio Morais de Paiva (Dr. Marquinhos), como pré-candidato a prefeito do município na próxima sexta-feira (29), em convenção partidária que será realizada na Câmara Municipal, a partir das 15 horas.



Para compor a chapa da oposição ao lado de Dr. Marquinhos (PP) o nome que deverá ser indicado na festa partidária é o da Ex-vereadora, Maria Valdenora Guerra (PDT), também conhecida na cidade como “A Mulher da Rosa”.


Na oportunidade, serão oficializados os nomes de 10 pré-canditados que disputarão o pleito na chapa proporcional pelos seguintes partidos: PP, PDT, PSC, PSB e PSD.


Os postulantes a uma vaga no Poder Legislativo serão: Adolfo Silveira (PSB), Cleodarques Rodrigues (PSB), Itaiguara Dantas (PP), Welinton Almeida (PSB), Tomar Pereira (PSB), Marcos Epifânio (PSB), Conceição Néris (PSB), Alcieide (PSD), Luís Pereira (PSC) e Claudia Santana (PP).


Presenças confirmadas no evento do Presidente da Assembléia Legislativa, Ricardo Motta, dos ex-prefeitos; Carlito Meireles, Geraldo Margela, Dudu Campos e Dr. Ubirajara de Morais, da Ex-secretária de Saúde, Maria Eleci, além de lideranças comunitárias.

*Politica Pauferrense

postado por cleumy candido fonseca ás 07:56

Emendas por inteiro

Observação de bastidor na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte pró-Governo Rosa:

- Há pelos menos 15 anos um Governo não cumpre o empenho das emendas dos deputados estaduais na íntegra como agora.

Cada deputado estadual terá direito a 1,5 milhão e já começaram a ter o empenho sem distinção entre base e oposição.

Ou seja, regra sendo obedecida … na prática.


POSTADO POR CLEUMY CANDIDO FONSECA ÁS 07:49

Folha atribui desistência de Micarla a 92% de reprovação

Da Folha de São Paulo


A prefeita de Natal, Micarla de Sousa (PV), disse ontem que não vai concorrer à reeleição neste ano. Ela alegou problemas de saúde e afirmou que sofre críticas por ter escolhido “cuidar de gente”, em vez de “calçar ruas”.

Evangélica, ela citou trechos da Bíblia e afirmou estar “pronta para outras missões”.

A jornalista Micarla foi eleita em 2008 no primeiro turno com 50,8% dos votos, com o apoio do senador José Agripino Maia (DEM). Sua gestão, muito criticada, enfrentou até protestos organizados pela internet.

Pesquisa da Consult no início deste mês encomendada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil apontou 92,3% de desaprovação à gestão; 82,5% dos ouvidos disseram que não votariam nela.

Segundo a assessoria da prefeita, a decisão foi motivada pela família, que pediu que ela se dedicasse a cuidar da saúde.

A prefeita se junta a outros dois prefeitos de capitais que devem ficar fora da disputa: João da Costa (PT-Recife) e Luciano Agra (sem partido-João Pessoa), porém, não concorrerão por decisão de suas siglas.


POSTADO POR CLEUMY CANDIDO FONSECA ÁS 07:47