19 de jul de 2019

Entrevista com o terrorista que planejava matar Bolsonaro e Damares

A Veja diz ter entrevistado um terrorista que planejava assassinar Jair Bolsonaro, Damares Alves, Ricardo Salles e um ministro do STF.  “O terrorista identifica-se como ‘Anhangá’. Por orientação do grupo (Sociedade Secreta Silvestre), o contato foi feito pela deep web, uma espécie de área clandestina da internet que, irrastreável, é utilizada como meio de comunicação por criminosos de várias modalidades. 

 Anhangá garante que o plano para matar Bolsonaro é real e começou a ser elaborado desde o instante em que o presidente foi eleito. Era para ter sido executado no dia da posse, mas o forte esquema de segurança montado pela polícia e pelo Exército acabou fazendo com que o grupo adiasse a ação.  ‘Vistoriamos a área antes. Mas ainda estava imprevisível. Não tínhamos certeza de como funcionaria’, afirma o terrorista.”

  Segundo a Veja, o inquérito do STF, aquele que resultou na censura à Crusoé, “também reuniu evidências de um plano real de ataque contra um ministro da Corte.  Os investigadores descobriram que um grupo havia monitorado durante algum tempo a rotina de um dos magistrados, cujo nome é mantido em sigilo, e de sua família, que mora em São Paulo. O objetivo era definir o melhor lugar para uma emboscada, e o local escolhido foi o Aeroporto de Congonhas.” 

 Dá para imaginar quem vazou essa notícia. E qual foi o propósito do vazamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário