1 de nov de 2016

Xadrez político se desenha para as Eleições 2018


xadrez
A corrida presidencial ganhou os primeiros contornos após os resultados das eleições municipais. O fortalecimento do PSDB e o enfraquecimento dos partidos de esquerda, principalmente do PT, começa a tirar das sombras os candidatos à presidência da República, em 2018.
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), tomou a dianteira ao fazer o prefeito da capital paulista e ao apoiar candidatos vitoriosos em 11 das 39 cidades da região metropolitana, avançando sobre municípios tradicionalmente sob domínio do PT. O tucanato paulista usará a vontade popular para ter prioridade na indicação presidencial, colocando o senador Aécio Neves em segundo plano, em função da derrota sofrida em Belo Horizonte, seu domicílio eleitoral.

Fora dos palanques, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o plano A do PT, apesar de sair derrotado. Com o PT apenas em 11º lugar no ranking nacional dos partidos, Lula trabalhará por uma união da esquerda. Afinados com os petistas,  PDT, PSB, Rede e PCdoB fizeram 8 das 26 prefeituras de capitais, contra 13 em 2012.
Ciro Gomes (PDT) tenta agregar o bloco e ser o herdeiro de Lula para viabilizar a candidatura. Poderá ter como adversário a concorrência de políticos com importantes resultados. No PCdoB, o governador do Maranhão, Flávio Dino, foi a surpresa – e mais da metade das prefeituras do Estado serão comandadas pelo partido. O prefeito de Recife, Geraldo Júlio, tenta conter o assédio tucano sobre o PSB e defenderá candidatura própria do partido para defender o legado de Eduardo Campos.

Na outra ponta, Marina Silva não conseguiu transformar em votos para a Rede o resultado que teve nas urnas nas duas últimas eleições presidenciais. Na direita, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) foi o primeiro a lançar pré-candidatura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário